Mel de Jataí (Potinho 40g)

R$30,00
Sucesso! Você tem frete grátis
Adicione este produto e tenha frete grátis!
Frete grátis a partir de R$400,00
Entregas para o CEP:

Adicione este produto e tenha frete grátis! Frete grátis a partir de R$400,00

Mel de Jataí (potinho 40g)

Abelha Jataí (Tetragonisca angustula), abelha nativa sem ferrão da Mata Atlântica.

Nosso mel de Jataí é puro, orgânico e cru, ou seja, não passou por nenhum processo de pasteurização (aquecimento), preservando assim todas as suas propriedades medicinais originais.

Por ser um mel vivo e fresco, rico em enzimas e leveduras, pode fermentar naturalmente, gerando uma espuminha ou mesmo uma leve pressão na tampa. Isso não interfere na integridade do mel, que continua totalmente adequado para o consumo. Para estabilizar esta fermentação, você pode conservá-lo em geladeira.

Colhido de diferentes colônias e floradas silvestres, pode ocorrer variações de sabor, cor e aroma de uma safra para a outra. Esta é a beleza do mel artesanal, fruto da biodiversidade brasileira.

Benefícios: o mel de Jataí é grande aliado para fortalecimento do nosso sistema imunológico. Um poderoso anti-inflamatório e antibiótico natural, ótimo para amenizar os sintomas de gripe por conter própolis em sua composição natural.

Sugestões de consumo: você pode consumir este mel à vontade, da forma como melhor se encaixar em sua rotina. Uma dica é tomar puro logo cedo, ou fazer um shot com 1 colher de sopa do mel, 20 gotas de própolis e meio limão. Você pode adoçar frutas, fazer um molho especial de salada e usar sua criatividade para inserir essa iguaria em vários momentos do seu dia-a-dia.

Mel de jataí para os olhos: uma famosa sabedoria antiga popular era pingar o mel de Jataí nos olhos para tratar cataratas, por ser um anti-inflamatório natural. Acreditamos muito nas medicinas ancestrais e naturais, mas ainda não existem estudos com comprovação científica para este fim.

O mel das abelhas sem ferrão possui 80% mais propriedades medicinais do que o mel comum das abelhas Apis mellifera (ARAÚJO et al., 2010).

 

Compartilhar: